04 e 05
de outubro
São Paulo - Brasil
< Voltar ao blog

Fake News, notícias enviesadas e os filtros-bolha

17 de agosto de 2017

Quando a internet surgiu trazia a ideia de liberdade. Com ela, nascia um sentido amplo de nos conectar com o mundo e com outras pessoas e ideias. Seríamos protagonistas das nossas escolhas e esse seria um terreno neutro. Entretanto, a personalização dos feeds e a forma que a informação navega na internet ainda é invisível e o nosso poder de escolha é refletido em bolhas que nos isolam em clusters, nos cercando de informações editadas por algoritmos sem o nosso conhecimento.

Você já deve ter ouvido falar em notícias falsas ou enviesadas (isto é, parciais). Elas se proliferam rapidamente no mundo digital e afetam a realidade. No mundo das notícias, o editor de um jornal é responsável por realizar um filtro nas informações que serão publicadas no jornal. Esse processo não é perfeito ou parcial, mas não exclui a nossa chance de procurar em outras fontes a veracidade de uma notícia.

Com os filtros-bolha isso é diferente. O Facebook, por vezes, é utilizado para a proliferação de notícias falsas e, diferente de um jornal que conta com o discernimento de um humano, nas redes sociais é um algoritmo que faz a seleção do que eu ou você devemos receber de informação – falsa ou não – no nosso feed de notícias, baseado em assuntos ou temas que são de nossa preferência. Esses “algoritmos-editores” não são programados para verificar informação e apresentar maior diversidade de notícias e opiniões. O objetivo é oferecer o conteúdo mais próximo daquilo que interessa/agrada. Não há nenhum compromisso editorial com o que você lê ali e o Facebook foi somente um exemplo – outras empresas fazem essa personalização do feed criando os filtros-bolha.

Uma vez que todos podem ser produtores de informação na Web, para identificar uma informação manipulada é preciso um sistema complexo de verificação. É necessário pensar em processos e políticas editoriais mais transparentes pelas empresas, além do fator humano, onde a personalização não pode ser confundida com manipulação.

Para tentar amenizar parte do problema, já há grupos especializados em averiguar informações, como é o caso da Agência Lupa, a primeira do Brasil a se dedicar exclusivamente a separar o joio do trigo na Web.

Cristina Tardáguila, editora e fundadora da Agência Lupa, será uma das palestrantes da Conferência Web.br 2017 e contará um pouco mais sobre os produtores e disseminadores de notícias falsas e o trabalho realizado pela equipe da Lupa.

A  Web.br 2017, um dos principais eventos de desenvolvimento Web do Brasil,  será realizada dias 24 e 25 de outubro, em São Paulo. Para participar, inscreva-se pelo link:
http://conferenciaweb.w3c.br

Leia Também

Inscrições

Faça a sua inscrição e fique por dentro das inovações e tendências Web com os melhores palestrantes nacionais e internacionais!

A Web.br é o local perfeito para trocar experiências e ficar por dentro das novidades do mercado.

30 E 31 DE OUTUBRO

Nós podemos ter a Web que queremos!

segundo lote

Assine a
newsletter

 

Fique por dentro das novidades do evento!

Cadastre-se na nossa Newsletter e receba atualizações de agenda, novos palestrantes, informações sobre inscrições e muito mais!

Seja um
patrocinador:

A sua empresa deseja patrocinar ou apoiar a edição 2018 da conferência Web.br? Fale com a gente!

organização

Centro de Estudos sobre Tecnologias Web Acesse o site do NIC.br Acesse o site do CGI.br

Iniciativa convidada

Acesse o site do W3C
Imagem do rodapé